Páginas

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Ancestralidade

A ancestralidade è um assunto importante para toda egregora e forma pagan de viver, um tema com diversas nuances e formas de pensar, uma vez nao ancestralidade nao fala apenas de aspectos sanguineos.

Mas como o blog è Stregonesco, nada mais justo que falar como esse tema è visto nessa espiritualidade =)

Na Italia (e acho que na europa em si) essa coisa de ancestralidade è de extrema importancia. Quando voce conheçe e se apresenta a alguem da italia è comun eles perguntarem 'Voce è filho de quem? Tem familia italiana? '
Normalmente os italianos se apresentam 'Oi! Sou Olivieri Giovanni. Filho de Olivieri Giuseppe e Medagliani Rosita'. Percebemos tambem que eles sempre colocam o sobrenome na frente do nome. Isso porque em tempos primordios, o sobrenome dizia muito quem voce era, e se talvez uma pessoa com teu mesmo sobrenome fez algo de errado no passado, com certeza nao iriam gostar de voce!

A ancestralidade na Stregoneria é muito importante, e em alguns clas o ponto focal/essencial. Em algumas casas (no sentido de tradiçao familiar) se cultuam ancestrais mortos como Deuses.
Na maioria dos casos os ancestrais sao como guias, Deuses menores que lhe ajudam em todos os pontos de tua vida. Uma vez que eles viveram antes de voce, eles tem muita sabedoria sobre o mundo e a vida.
Acho que todos aqui jà se pegaram, do nada, fazendo algo estranho. Como por exemplo, pedir ajuda a uma tia que jà faleceu para fazer aquela torta que so ela sabe fazer, preparar um cachimbo que teu avò tanto adorava no aniversario dele, ou sempre deixar um restinho de cafè na xicarà pois teu pai sempre amava tomar o ultimo gole. (conversamos sobre isso no encontro)
Seja nesses exemplos, ou em outros, acho que todos jà tiveram experiencias com Ancestrais.Essa 'memoria coletiva' è uma coisa fantastica, pois ela nòs conecta a memorias que jà passaram para outro plano, e assim entender muito de nossas praticas e atividades.

Uma visao que acho linda sobre Ancestralidade è a visao Celta. Conversando com uma amigo Druida, ele me disse que tudo, atè mesmo a pedra do jardim è um ancestral. Isso porque ela jà estava là antes de voce, e talvez se ela nao estivesse alì, voce tambem nao estaria aqui. E assim, o Celtas veem tudo na natureza como uma ancestral, e tudo que existe como sagrado.

Agora, uma pergunta que muitos devem estar pensando 'Como me conectar aos meus ancestrais?'
E' uma coisa tao simples, que por sua simplicidade acaba sendo atè meio dificil (heheehe)

E' assim, se quiser fazer um altar aos ancestrais, faça! Se quiser deixar uma vela todos os dias para eles, deixe! Se quiser deixar um prato a mais na mesa para ele, deixa!Simples assim.
Mas para fazer algo a eles, primeiro de tudo deve conheçe-los. Quem foram seus bisavos? Da onde vieram? Gostavam de algo em especial? E' muito importante esse estudo, pois fica mais facil a conexao.

Eu por exemplo tenho um altar para eles, onde deixo sempre uma vela de 7 dias queimando, para manter o fogo do meu lar sempre asceso. As vezes coloco alguns doces (pois meu pai adorava) e uma xicarà de cafè como meu avò gostava.
O importante è pensar sempre neles, pedir-lhes ajuda em tudo, conversar, agradeçer por cada passo dado, pela sabedoria que lhe ajuda.
Fazendo tudo com siceridade e amor, eles saberam como lhe mostrar que lhe ouvem.

Sou Nath Hera, filha de Arnaldo Prado e Helenita V. Rocha.


6 comentários:

  1. Sou Onofre Martins Luciana, poderia ter sido D'Onofrio ainda, mas sou Onofre por erros no registro de imigração equatoriana, filha de Elaine e de Germán, e amei teu texto!

    ResponderExcluir
  2. Eu adorei! ♥

    Sou Regina Murgu Aline, filha de Herold (e, portanto, Herodias =D)e Elisa, neta de Livin, Maria, Júlio e Ernestina, e aaamo meus ancestrais!

    Eles são muito presentes em minha vida e sua história é incrível, contanto a história de meus avós posso contar a história do século XX, suas guerras, revoluções, imigrações, tristezas e alegrias dos povos europeus que mudaram suas vidas vindo para este Novo Mundo!

    Un bacio, strega!

    ResponderExcluir
  3. Honrar seus ancestrais é reconhecer neles uma parte de você.. é amar suas origens, ter orgulho da sua linhagem.. mesmo que você não se identifique com a história pessoal deles, vale a pena fazer uma pesquisa até achar um antepassado que role afinidade.No meu altar dos meus antepassados a foto principal é a do meu pai, eu estou seriamente tentada a trocar todas as outras fotos de ancestrais de linhagem materna por fotos de linhagem paterna simplesmente por uma questão de afinidade.

    ResponderExcluir
  4. Que texto maravilhoso.

    Sou Figueira de Carvalho Elaine. Filha de Ruth, neta de Rosa, bisneta da Mariquinha e amo meus ancestrais. Costumo cozinhar comidas que me ensinaram e gostavam, passo para meu filho tudo que falavam, bem como para os irmãos e sobrinhos.

    Adorei,

    Elaine

    ResponderExcluir
  5. Eu sou filha do Osmil e acho isso mt divertido!

    ResponderExcluir
  6. Quando o André nasceu, a primeira coisa que falei para ele foi quem ele era. Eu recitei quem eram seus ancestrais diretos e alguns indiretos que eram mais próximos. Para mim, aquela recitaão era tão importante quanto todo o processo de nascer.

    ResponderExcluir